Sobre

Em 2019, o Ars Nova-Coral da UFMG completou 60 anos de existência, tendo consolidado-se como referência na área de canto coral no Brasil e no exterior. Ao longo das décadas, o coro vem representando a cultura brasileira e a Universidade Federal de Minas Gerais em inúmeros eventos, sendo reconhecido por meio de premiações, distinções e menções honrosas em festivais e concursos.

Fundado em 1959 como Coral da União Estadual de Estudantes, o grupo foi incorporado à UFMG em 1964 e mais tarde assumiu seu atual nome: Ars Nova–Coral da UFMG. Seu primeiro regente foi o Maestro Sérgio Magnani, que deu vida e nível artístico ao trabalho inicial do coro. A partir de 1963, o Ars Nova esteve, durante 41 anos, sob a regência do renomado maestro Carlos Alberto Pinto da Fonseca, e realizou cerca de 20 excursões em vários países da Europa, Ásia e América. Dentre os festivais dos quais participou, podem ser citados o Concurso Polifônico Internacional Guido d’Arezzo, o Festival de Coros de Atenas, o Festival Internacional de Música de Cantonigròs e outros. Foram cerca de 1.400 apresentações em 79 cidades de 12 estados brasileiros, mais 66 cidades de 17 países – do Uruguai à Coreia do Sul, em palcos tão distintos como o Lincoln Center, de Nova Iorque, e a Casa de Ópera Teatro Municipal, de Ouro Preto. Em sua longa trajetória sob a regência do maestro Carlos Alberto Pinto da Fonseca, o grupo registrou, em gravações, 3 trabalhos: o LP Missa Afro-Brasileira, de Carlos Alberto Pinto da Fonseca, em 1989, e os CDs Mestres da Música Colonial Mineira, em 1996, e Antologia, em 2000. Entre 2004 e 2008, a direção musical do coro for assumida por Rafael Grimaldi, regente assistente de Carlos Alberto.

Após um breve interstício, o Ars Nova foi retomado em 2013, sob a regência da maestrina Iara Fricke Matte. Desde então, o grupo realizou mais de 110 concertos no Brasil e exterior, alcançando um público de mais de 28 mil pessoas. Destacam-se dois prêmios recebidos em 2016: o Troféu JK de Cultura e Desenvolvimento e a conquista do terceiro lugar na categoria Coro Misto do 34º Festival Internacional de Música de Cantonigròs, realizado em Vic, Catalunha, Espanha. Em 2017, o maestro Lincoln Andrade assumiu a regência do Ars Nova, que nesta nova fase vem realizando estreias brasileiras de diversas obras contemporâneas, a exemplo da obra-prima Passio Domini Jesu Christi Secundum Joannes, do compositor estoniano Arvo Pärt, em primeira audição no Brasil. Além dos vários concertos em Belo Horizonte, o Ars Nova apresentou-se em outras cidades mineiras e em Brasília, dentro da proposta de levar a música coral pelas estradas do Brasil. Vale mencionar, também, a criação da série Banquete de Vozes do Natal, em 2017, com sucesso de público e crítica.